Quem já fez o Caminho deve conhecer essa história e quem não fez, aqui fica o convite para conhecer mais um lugar emblemático dessa jornada.

Num trecho em que a exaustão, fome e sede começam a bater, surge um oásis. É o lugar no meio do nada onde David mora, o homem que há anos é responsável por disponibilizar bebidas, frutas, biscoitos, chás, etc para quem precisa em uma barraquinha que ele mesmo construiu. Deixa uma caixinha para doações logo ao lado, nada tem preço fixo. Já tínhamos ouvido falar do local e nossa chegada foi algo especial, pois no exato momento em que nos aproximávamos um figura com a camisa do Brasil apareceu e começou a tocar em seu violão uma música brasileira para nós, mesmo sem saber que éramos do Brasil… O Uruguaio bem humorado e cantante tocou sua música, contamos ser da pátria verde e amarela. Ele adorou saber disso, nos deu um forte abraço e se despediu, quando começou a caminhar gritamos:

– Ei! O Caminho é para outro lado!

– Eu sei pra onde vou. (Falou ele)

Já tinha completado sua peregrinação à Santiago e agora estava voltando, parte caminhando, parte pegando caronas. Nos sentimos felizes em tê-lo encontrado.

Mas voltando ao oásis, David, o criador do espaço estava meditando e por isso não conseguimos falar com ele. Mas soubemos um pouco de sua história através de Luis Garcia, um amigo que fizemos no Caminho quando nos hospedamos no Albergue Verde em Hospital de Órbigos (Já contamos sobre ele em outro post). David, para manter essa barraquinha tinha que ficar acampado ali perto, o que encontrou foram ruínas abandonadas de uma antiga construção, onde decidiu montar sua base.

Mesmo no inverno a barraquinha é mantida recheada de tudo que os peregrinos podem precisar para repor as energias. Mensagens positivas e amorosas estão espalhadas desde alguns metros antes do local. Foi muito bacana sentir o carinho de tudo que está feito lá e para encerrar, como David mesmo propaga numa mensagem em sua barraca: “Faça sempre aquilo que gostaria que fizessem pra você!”

Ultreya!

No Comment

Comments are closed.

You may also like